Campanha Resgatando Famílias – Semana 5

RESGATANDO FAMÍLIAS ATRAVÉS DO CULTIVO DA NOSSA VINHA – CUIDADO E VIGILÂNCIA
Cântico dos cânticos 2:1-15
Na semana passada vimos a história de Salomão e da sua noiva Sulamita. Esta história de amor é uma forma de retratar a relação de Cristo, o noivo, com a sua igreja, a noiva.
Com a ajuda do seu Espírito Santo operando profundamente em nossas vidas, temos a revelação o noivo celestial de uma forma mais plena. Por isso, não devemos nos contentar com uma amizade superficial com o Senhor. Somos desafiados a nos relacionarmos com Ele de uma maneira mais profunda.  Em provérbios 23:26a lemos: “Filho meu, dá-me o teu coração”.
É justamente disso que se trata a história que encontramos neste livro. O ensino de que podemos ter e viver um amor profundo por Cristo e com Cristo.
Vimos também que por causa desse caso intenso de amor entre nós e o nosso Salvador, todos ao nosso redor podem ser beneficiados e serem tocados por Ele. Eles também podem herdar a salvação que existe no Seu nome.
O escritor de Cantares relata que a noiva (sulamita) cuidava da vinha de sua família. Ela tinha sido obrigada por seus irmãos e enviada para guardar a vinha. Ela confessa, entretanto, que ao fazer isso, acaba negligenciando um pouco da sua própria vida. Cumpriu sua incumbência, mas descuidou-se com relação a si própria ao não se proteger do sol escaldante do deserto e acabou com a pele bastante queimada. (vs. 5,6)
Por causa disso a noiva não se considera perfeita. Ela é alguém que tem falhas e que não merece o amor do Rei. Da mesma forma, a sua igreja aqui na terra é imperfeita, também possui falhas e muitas vezes deixa a desejar entristecendo o coração do noivo Jesus.
Porém, o Mestre escolheu nos amar e apostar em nós apesar de tudo. Se Ele que é o Senhor da igreja, o cabeça, o nosso general decidiu agir assim, só nos resta aceitar o convite e deixá-lo comandar as ações e fazer a sua obra através de nós. Enquanto isso aproveitamos a sua companhia, desfrutamos do seu amor e somos aperfeiçoados diariamente pelo Seu Espírito Santo. Lembre-se que é ele que “efetua em nós tanto o querer como o realizar segundo a sua vontade” Fl 2:13.
A partir do verso 10 do capítulo 2 de Cantares ouvimos o noivo dizer à noiva: “Levanta-te, querida minha, formosa minha, e vem”. Repare que é um convite amoroso, inclusivo, repleto de graça, desprendido de interesses escusos. É um convite ao cansado, ao sobrecarregado, ao aflito, ao abandonado, ao pecador, ao faminto, ao sedento. Jesus faz o mesmo convite. Ele diz: “Quem quiser vir a mim, venha”! (Mt 11:28-30)
É um convite para nos levantarmos, para nos lançarmos. Para sairmos do nosso estado enfermo e encontrarmos a cura para o nosso corpo. Para sairmos do nosso estado letárgico e encontramos a cura para a nossa alma. Para sairmos da nossa zona de conforto e vivermos no sobrenatural que somente Ele tem para nós. Apesar de nossa imperfeição, ele nos quer perto!
E é sem dúvida nenhuma, um convite para todos, inclusive para os nossos familiares que ainda não o conhecem. Repare, “Vinde a mim, TODOS os que estais cansados e oprimidos e eu o aliviarei” Mateus 11:28
Entretanto, mesmo recebendo o convite e sabendo da bondade do Rei, a noiva ainda reluta em acompanhá-lo, perdendo assim oportunidades para amadurecer. O fruto de seu relacionamento com Ele ainda é frágil e precisa ser protegido e encorajado. Ela não pode se dar ao luxo de deixar de vigiar e viver de qualquer maneira.
Apesar de temerosa, ela desejava estar com o noivo, mas sabia que ainda tinha um trabalho importante a fazer. A sua incumbência ainda era cuidar da vinha da família. Portanto, ela faz um pedido: “Apanhai-me as raposas, as raposinhas, que devastam os vinhedos, porque as nossas vinhas estão em flor”. (vs 15)
As “raposinhas” representam as coisas que vão silenciosamente destruindo os relacionamentos. É preciso cuidado e dedicação para evitar o estrago.
Devemos nos lançar, arriscar, confiar. E ao mesmo tempo cuidar para que nada estrague nosso relacionamento que está sendo construído com o noivo. A noiva precisa estar limpa, sem mancha, sem pecado.
Além disso, se não vigiarmos e cuidarmos, existem inúmeras raposinhas a espreita para destruir nossas famílias também. Seu objetivo é estragar os frutos da comunhão, compreensão, diálogo, aceitação. Elas trabalham silenciosa e sorrateiramente com o objetivo de devastar os vinhedos da alegria, harmonia e bom ambiente dentro dos lares e no seio das famílias. Tudo o que nos esforçamos para construir, pode ruir em um piscar de olhos.
Cuidado com elas (raposas). Mantenha sua vida no altar do Senhor. Viva em santidade, cuide aonde anda, o que fala, o que vê e também aquilo que permite que seus ouvidos ouçam. A Bíblia diz: “Não deis lugar ao diabo” Efésios 4:27. E também: “Vigiai e orai, para não cairdes em tentação”. Mateus 26:41ª
Se cuidarmos da nossa vida e também da nossa família, mantendo o solo arado e irrigado, a chance de termos uma colheita abundante, que é a salvação dos nossos, será muito grande. Se estivermos de plantão, sendo prudentes e protegendo nossa vinha (família) impedindo as raposinhas de entrar e devastar tudo, teremos um ambiente frutífero e propício para a ação do Espírito Santo e para o crescimento da semente da aceitação e da paz.
Agindo assim, criaremos as condições ideais para que a semente do evangelho caia em cada coração e venha a germinar tornando-se uma árvore frondosa com raízes fortes e profundas.
Lembre-se que quando “a semente cai em boa terra, ela dá boa colheita, a cem, sessenta e trinta por um” (Mateus 13:8). Prepare o terreno familiar. Cuidado com as raposinhas!
“Ame a Deus. Aceite seu convite. Cuide da sua vida. Cuide de sua família”.
Deus vos abençoe,
Pr. Fábio

Post a comment

© 2018 MCPJersey. by Agência Mega Pixel